FUVEST 2007

  Sou feliz pelos amigos que tenho. Um deles muito sofre pelo meu descuido com o vernáculo. Por alguns anos ele sistematicamente me enviava missivas eruditas com precisas informações sobre as regras da gramática, que eu não respeitava, e sobre a grafia correta dos vocábulos, que eu ignorava. Fi-lo sofrer pelo uso errado que fiz de uma palavra no último “Quarto de Badulaques”. Acontece que eu, acostumado a conversar com a gente das Minas Gerais, falei em “varreção” — do verbo “varrer”.  De fato, tratava-se de um equívoco que, num vestibular,poderia me valer uma reprovação. Pois o meu amigo, paladino da língua portuguesa, se deu ao trabalho de fazer um xerox da página 827 do dicionário (...). O certo é “varrição”, e não “varreção”. Mas estou com medo de que os mineiros da roça façam troça de mim, porque nunca os ouvi falar de “varrição”. E se eles rirem de mim não vai meadiantar mostrar-lhes o xerox da página do dicionário (...). Porque para eles não é o dicionário que faz a língua. É o povo. E o povo, lá nas montanhas de Minas Gerais, fala “varreção”, quando não “barreção”. O que me deixa triste sobre esse amigo oculto é que nunca tenha dito nada sobre o que eu escrevo, se é bonito ou se é feio. Toma a minha sopa, não diz nada sobre ela, mas reclama sempre que o prato está rachado.

Rubem Alves http://rubemalves.uol.com.br/quartodebadulaques

O amigo é chamado de “paladino da língua portuguesa” porque

A)

costuma escrever cartas em que aponta incorreções gramaticais do autor.

B)

sofre com os constantes descuidos dos leitores de “Quarto de Badulaques”.

C)

julga igualmente válidas todas as variedades da língua portuguesa.

D)

comenta criteriosamente os conteúdos dos textos que o autor publica.

E)

é tolerante com os equívocos que poderiam causar reprovação no vestibular.

Descubra sua nota no Enem! Faça agora um simulado gratuito mega rápido.
FAZER SIMULADO arrow_forward
A AIO utiliza cookies para garantir uma melhor experiência de usuário
Saber mais
Aceitar