ENEM 2017 segunda aplicação

— Recusei a mão de minha filha, porque o senhor é… filho de uma escrava.
— Eu?
— O senhor é um homem de cor!… Infelizmente esta é a verdade…

Raimundo tornou-se lívido. Manoel prosseguiu, no fim
de um silêncio:

— Já vê o amigo que não é por mim que lhe recusei Ana Rosa, mas é por tudo! A família de minha mulher sempre foi muito escrupulosa a esse respeito, e como ela é toda a sociedade do Maranhão! Concordo que seja uma asneira; concordo que seja um prejuízo tolo! O senhor porém não imagina o que é por cá a prevenção contra os mulatos!… Nunca me perdoariam um tal casamento; além do que, para realizá-lo, teria que quebrar a promessa que fiz a minha sogra, de não dar a neta senão a um branco de lei, português ou descendente direto de portugueses!

AZEVEDO, A. O mulato. São Paulo: Escala, 2008

Influenciada pelo ideário cientificista do Naturalismo, a obra destaca o modo como o mulato era visto pela sociedade de fins do século XIX. Nesse trecho, Manoel traduz uma concepção em que a

A)
miscigenação racial desqualificava o indivíduo.
B)
condição econômica anulava os conflitos raciais.
C)
discriminação racial era condenada pela sociedade.
D)
escravidão negava o direito da negra à maternidade.
E)
união entre mestiços era um risco à hegemonia dos brancos.
Descubra sua nota no Enem! Faça agora um simulado gratuito mega rápido.
FAZER SIMULADO arrow_forward
AIO
A AIO utiliza cookies para garantir uma melhor experiência de usuário
Saber mais
Aceitar