ENEM 2015

A pátria

Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste!

Criança! não verás nenhum país como este!

Olha que céu! que mar! que rios! que floresta!

A Natureza, aqui, perpetuamente em festa,

É um seio de mãe a transbordar carinhos.

Vê que vida há no chão! vê que vida há nos ninhos,

Que se balançam no ar, entre os ramos inquietos!

Vê que luz, que calor, que multidão de insetos!

Vê que grande extensão de matas, onde impera,

Fecunda e luminosa, a eterna primavera!

Boa terra! jamais negou a quem trabalha

O pão que mata a fome, o teto que agasalha...

 

Quem com o seu suor a fecunda e umedece,

Vê pago o seu esforço, e é feliz, e enriquece!

 

Criança! não verás pais nenhum como este:

Imita na grandeza a terra em que nasceste!

 

BILAC, O. Poesias infantis. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1929.

 

Publicado em 1904, o poema "A pátria" harmoniza-se com um projeto ideológico em construção na Primeira República. O discurso poético de Olavo Bilac ecoa esse projeto, na medida em que

A)

 a paisagem natural ganha contornos surreais, como o projeto brasileiro de grandeza.

B)

 a prosperidade individual, como a exuberância da terra, independe de políticas de governo.

C)

 os valores afetivos atribuídos à família devem ser aplicados também aos ícones nacionais.

D)

 a capacidade produtiva da terra garante ao país a riqueza que se verifica naquele momento.

E)

 a valorização do trabalhador passa a integrar o conceito de bem-estar social experimentado.

Descubra sua nota no Enem! Faça agora um simulado gratuito mega rápido.
FAZER SIMULADO arrow_forward
AIO
A AIO utiliza cookies para garantir uma melhor experiência de usuário
Saber mais
Aceitar